O senhor é meu pastor e nada me faltará...


anjos - Recados Para Orkut

"Educar com amor".

"Educar com amor".

Um cantinho especial para uma boa e agradável conversa!!!

terça-feira, 26 de junho de 2012

E a violência nas escolas agora é culpa… da escola! Que FANTÁS TICO!!!


Pois é, neste programa de “variedades” tão tradicional na televisão brasileira, há décadas tratando assunto sério como “show”, vemos mais uma inversão nas verdades sobre educação.

E, mais uma vez vamos, subliminarmente, incutindo na percepção do brasileiro que a escola é culpada por tudo.

Agora, até mesmo pela violência que acontece dentro da escola.

“Um aluno entrou em conflito com outro: paro a aula, porque mais importante que a aula, é o processo educacional”, diz a professora entrevistada (3’40”).

Concordo. Mas… depois virão nos cobrar porque não aprenderam o MMC, seno, cosseno, rochas metamórficas, orações subordinadas adverbiais, a história afro-brasileira, a classificação dos animais…

Ora, nesta meritocracia medíocre que os grandes gestores da educação do Brasil estão implantando, não há espaço para o social, para a violência, para a resolução de conflitos.

Professor bom – e merecedor dos “bônus” – é aquele que consegue fazer com que os alunos tirem as tais “notas boas” nas provas. E as provas não provam nada da nossa relação com violência e a paz, como eu já disse algumas vezes por aqui.

Voltando ao programa, segundo o “especialista” e “pesquisador” (já perceberam que tem sempre um especialista e pesquisador pra falar mal da escola, dando legitimidade às especulações?) a violência dentro da escola depende de como a escola encara a violência:

“A violência na escola não está atrelada, necessariamente, à questão social. Está mais relacionada, os estudos mostram, à condição de organização do espaço escolar e da gestão deste espaço do que às condições sociais ou do próprio entorno deste espaço”, diz o pesquisador (5’25”).

Percebo que ele entende como “questão social” somente se o aluno é rico ou pobre, excluindo desta “questão” a cultura, a televisão, as gangs, o preconceito, a corrupção, as bebidas, os pais, o estresse do dia a dia, a violência do trânsito e todas as outras possíveis “questões” que influenciam uma pessoa, independente se esta tem ou não dinheiro.

Então, meus amigos, segundo a reportagem a violência NÃO É fruto…

da violência gratuita que entra nas casas deles via televisão – também vindo da própria emissora, por exemplo, através de novelas, de programas como UFC ou jornais onde a violência é o mote – tudo tão bem trabalhado para ganhar audiência e lucros;
da violência social a que os alunos estão acometidos todos os dias;
da violência ou sentimento de violência que a corrupção e impunidade generalizada nos invade;
da violência que as favelas – onde grande parte mora, ao menos no Rio – é acometida todos os dias, tanto por parte do tráfico quanto do governo (da polícia);
da violência que sofrem DENTRO DE CASA, da família;
por fim, da cultura de violência que nossa sociedade tanto admira, persegue e cultiva.
Não, meus amigos, a violência nas escolas, segundo a emissora e seus especialistas, é culpa da própria escola!

Pois eu, que tenho olhos inversos de ver ao contrário, percebo diferente: as escolas onde a violência não é parte do cotidiano são justamente aquelas que conseguiram, através de um trabalho seja lá qual for, vencer a violência que a SOCIEDADE, como mostro acima, enfia de forma violenta ou graciosa na cabeça das crianças.

Não, não tiro a importância da atuação da escola, mas a violência não É da escola, mas TAMBÉM ESTÁ dentro da escola.

Então, a culpa de NÃO HAVER violência dentro de determinada escola, esta sim, é daquela escola.

Mas a culpa de HAVER violência na escola, é de toda a sociedade e, especialmente, DA TELEVISÃO, que traduz violência em cultura.

Faz uma grande diferença observar este pequeno detalhe, malandramente “esquecido” por todos.


Fonte:http://diariodoprofessor.com

Nenhum comentário: